O que esperar do leite em 2021

Estamos vivendo tempos um tanto diferente do que anos anteriores onde convivíamos e realizávamos nossas tarefas diárias sem receio. Entretanto, o ano de 2020 nos brindou com um acontecimento que mudou o mundo, já nos meados de março fomos atingindo por um vírus, uma pandemia, o Corona vírus mudou o mundo e o comportamento da sociedade de modo geral.

Tivemos que entender e compreender que algumas atitudes que antes eram normais do nosso cotidiano deveriam agora estar cercadas de atenções e cuidados, tivemos que incorporar o uso da máscara, o álcool em gel e principalmente manter distanciamento social para preservar a nossa saúde e a saúde do próximo. Com isso uma série de restrições e medidas foram tomadas, inclusive medidas que interferiram nas atividades econômicas do país, causando uma série de contratempos de ordem financeira.

Contudo, uma atividade que nunca parou e precisou manter seu ritmo foi o agronegócio, entre todas as mudanças na sociedade causada pela pandemia, uma segue igual que é alimentação, item de primeira necessidade andando junto com a saúde. Entre esses itens encontramos nosso amado “leite”, que logo no inicio da pandemia teve certa retração, mas logo em seguida foi se recuperando e mantendo o seu consumo capitaneado pela maior permanência das pessoas em casa e com a ajuda do auxílio emergencial, que provendo renda num momento delicado para grande parte dos brasileiros contribuiu também para o consumo lácteo.

Se pelo lado do consumo no varejo esteve promissor o produtor teve e tem seus desafios na produção assim como a indústria que passa pelos seus desafios para conseguir atravessar esse período de pandemia.

No campo o grande desafio está na alimentação do rebanho principalmente dos que utilizam concentrados e silagem, os preços dos grãos estão muito atrativos e exportações dos mesmos em alta, impactando nos preços internamente assim elevando custos de produção.

Para a indústria, a falta de matéria prima e alta demanda de produção com a retomada da economia, elevou o preço de produção com isso elevando o preço para o consumidor.

O ano que começou nos dá uma certeza que o consumo existirá logo o mercado lácteo estará em plena atividade, e o que devemos esperar de 2021?

Muito trabalho para que possamos ajustar a produção com seus custos e manter uma margem positiva para fazenda não é tarefa fácil, entretanto, há alternativas e tecnologias para que possamos manter o negócio em pleno funcionamento, para isso devemos estudar o mercado, planejar a produção e por em pratica as estratégias de trabalho.

Desejamos a todas as fazendas uma excelente lactação que ao final de 2021 possamos estar todos vacinados, livres do vírus e que possamos voltar a velha normalidade o mais rápido possível.

Que o ano de 2021 seja muito melhor do que o ano que passou, para todos.

Boa lactação!

                                                                                      Lissandro Stefanello Mioso

Consultor Técnico/Comercial

Médico Veterinário